In this session, Joshua Kerievsky (the founder of Industrial Logic and author of “Refactoring to Patterns”) shared his experiences about stepping away from using estimations and moving into what he called ‘Micro-releases’. What got me interested is that, although he claimed not to be following the recent kanban/iteration-less techniques, he arrived in something relatively similar through his own experiences.

He started talking about the usual confusion of using different units to estimate stories (using points and people converting it into time-units when estimating, using ideal hours and people interpreting it as real hours, and so on). This confusion is also reflected in the way people interpret the team’s velocity. Instead of using it as a measure of the team’s capacity, it’s easy to make it a performance measure. Improving velocity becomes a synonym to improving productivity, and we still don’t know how to measure productivity in software.

Another usual problem that he raised is “What to do with hang-over stories between iterations?”. Are they considered waste? Should they be counted in the team’s velocity? Why is it a hang-over? Is it because it’s close to be completed or is it actually much bigger than the team expected?

His proposed practice of ‘micro-releases’ is based on a high state of collaboration with the customer: there is a small, prioritized list of what should be done next and the team picks up a small and coherent set of stories and ‘guess’ the next micro-release date based on gut feel. He reports that slipping the end date of a micro-release is not such a big deal, because the next one is always close. In this model, the length of a micro-release varies, but usually between 1-6 days (with some outliers like 15, as I recall from his slides, but it’s not too different than that). Because of that, there’s not a stable measure of velocity and using it becomes useless. Feeding the input list with the next stories is done in a just-in-time fashion, and the value produced by the software is realized earlier, as soon as the micro-release is finished.

It’s important to note that he still values the heartbeat of iterations to gather feedback (like a customer showcase or a team’s retrospective). But he simply detaches the release life-cycle from the iterations. This opinion was reinforced by Ron Jeffries in the audience, when he said they were releasing to production twice per iteration in one of his projects. What an interesting point of view: we usually tend to see a ‘release’ as the result of a set of ‘iterations’, but he is reporting smaller ‘release’ cycles than ‘iterations’. Hmm…

But there are some important caveats that should be in place in order for these techniques to work:

  • High collaboration with the customer
  • Ability to break-down stories into small-but-still-valuable chunks: He reckons it’s very important to know how to break down requirements into “stories of the right size”. If they are too big, there’s no way for the team to guesstimate when they will be finished. He thinks this practice is one of the most important to any Agile project (using micro-releases or not).
  • Easy to deploy: There’s no point in having a new release after 2 days if it takes 3 days to deploy it to production.
  • Bargaining stories: Alongside breaking stories into small chunks, teaching the customer to bargain for features and avoid what he calls “Feature Fat” (building more that’s actually needed, or gold-plating requirements) is very important (again, this is something you can use regardless of the micro-releases approach).

Since the experiences started with Idustrial Logic’s internal product development, some people argued they are only capable of using that because they have enough experience with XP and Agile, but Joshua claimed he is introducing these ideas with success in their new client projects.

This seems like a common theme in the agile space lately, and you can follow up on the discussions on InfoQ, the XP mailing list, or here. :-)

I’ve found out recently that there’s an interesting timeless statement in the Agile Manifesto that we usually forget: “We are uncovering better ways of developing software…”. We should be open to alternatives and to discuss new ideas!

Post to Twitter

Continuing my series of posts about Agile 2008, I will summarize the session presented by Rod Coffin and Don McGreal about Pull Systems.

We played a simple game to demonstrate the concept of a pull system. The goal of the system was to produce “Mr. Potato Paper Heads” of different variations: squared/triangle eyes with squared/triangle mouths (4 variations in total). The “production line” was divided in 4 phases:

  1. Cut the FACE
  2. Assemble the EYES
  3. Assemble the MOUTH
  4. Launch to MARKET

In a first round, we simulated a push system: the first person was responsible for cutting the face and drawing a specification of what should be built, by choosing the type of eyes and mouth. The next phases were responsible for cutting and glueing the eyes and mouth, respectively. The last phase would take the finished product and stick it to the wall, representing a launch to the market. We knew the market would consume 10 faces, but didn’t know how many of each type, so we had to guess.

At the end of the first round, the presenters showed what the market actually requested, counting revenues and wastes for each team. They then explained the concept of a pull system, that starts with the customer order and drives the upstream processes of the production line based on that.

In order to implement a pull system, we needed some buffers along the way (the mouth assembler would need at least one face of each different variation of eyes in order to build and deliver anything the customer ordered). As soon as an eye-only face was consumed, it triggered a signal to the eye-assembler to build another of that kind, to replace the buffer, creating another trigger to the upstream face-cutter (triggers are represented in red on the following picture, while green represents something being delivered).

Pull System

I think this was a very interesting and instructive session. It’s much easier to understand concepts in practice, by playing a game, instead of reading it in a book – or a blog ;-).

Post to Twitter

Besides presenting the Coding Dojo experience report, one of my main interests of going to Agile 2008 was to attend some of the Lean-related sessions. In this and the next posts I will give a quick summary of the sessions I attended.

Expanding Agile: The Five Dimensions of Systems – Mary Poppendieck

Although not directly related to Lean, in this session Mary gave some insights on leadership and systems thinking that are worth talking about. By using the metaphor of Plank Roads (that provided fast improvements, but deteriorated over time, eventually overcoming its benefits), Mary questioned how sustainable is Agile?

She gave a great overview of the history of software development and the term Software Engineering. From Waterfall to Agile, going through ‘Plank Roads’ such as CMM, Spiral, and RAD, but also highlighting some lessons learned. Her main point was that the fragile aspects of our short history are mostly related to processes and what she called Project Management concepts (life-cycle, requirements, stages of testing, maturity levels, among others). On the other hand, the successes from our history are related to the Systems Engineering aspects of software (built-in quality, information hiding, continuous integration, skilled technical leaders, among others).

As she has already said, successful leadership needs two views: technical vision and marketing vision. She thinks process-related roles (such as a Scrum Master) does not guarantee a successful software. The team needs to understand the entire system, and she highlighted 5 dimensions to consider:

  • Purpose: Is there a clear vision and shared understanding of success? Is there technical leadership and built-in learning cycles to verify and improve suitability for purpose?
  • Structure: Do junior people have the training and oversight to assure they produce well-factored code? Does everyone on the team understand what they are producing and how it fits into the overall system?
  • Integrity: Is quality built-in or inspected at the end of development? Are failures rare and investigated deeply to fix their root cause? Is such learning captured and shared in an effective manner?
  • Life Span: Are those responsible for operations deeply involved during development? Is there a long-term vision of maintainability? Are rewards structured so that developing a robust system that performs well over time is the most strongly encouraged behavior?
  • Results: Does the system meet its overall economic investment? How quickly is ROI realized?

I think my main lesson from this session is that we should start re-thinking our approach to operations and support. After all, they are all part of the software life span and essential to the value stream. More about Lean and Agile 2008 in my next posts…

Post to Twitter

November 20th, 2007Conexão Java 07

Final de feriado chegando. É hora de voltar a ativa e contar como foram os eventos da última semana. Primeiro um pouco sobre o Conexão Java.

 

Audience at Conexão Java 07

 

Sexta-Feira

 

Foi a primeira vez que participei do Conexão Java e gostei bastante do evento. Além de re-encontrar amigos, as palestras que assisti foram excelentes. Na sexta-feira o Alexandre Magno falou um pouco sobre Scrum e, apesar de ter precisado sair no meio da palestra, os comentários que ouvi foram todos positivos. Na sexta acabei assistindo só essa palestra, pois fiquei o resto do dia ajudando o Carlos Villela terminar seus slides (percebam que minha participação foi importante.. he he).

 

Peugeot Certified Driver :-)

 

Sábado

 

No sábado, o keynote do CV criticou os “arquitetos de uma nota só” que preferem usar sempre a mesma ferramenta para resolver qualquer problema. Além de argumentar sobre a importância da plataforma Java vs. da linguagem Java, os tópicos levantados deixaram a platéia preparada para as próximas apresentações.

 

Carlos Villela's Keynote

 

O Philip Calçado re-apresentou a palestra de arquitetura do Just Java (dessa vez sem o Paulo) e agradou bastante o público. Apesar de eu já ter assistido a palestra, foi bom para ouvir mais um pouco sobre as “arquiteturas Java do passado”. Particularmente achei muito valioso ele ter levantado temas recentes como Domain-Driven Design e DSLs.

 

Philip

 

Depois foi minha vez. Minha estréia como palestrante foi bem recebida. As pessoas que me procuraram depois da palestra me deram um feedback positivo e alguns comentários online que li (aqui e aqui) me deixaram bastante feliz com o resultado. Espero que tenha conseguido passar minha mensagem, deixando algumas sementes para discussão sobre Métodos Ágeis, XP, Scrum e Lean. Minha apresentação já está disponível para download aqui.

 

Palestrando no Conexão Java 07

 

Após minha palestra fomos almoçar numa churrascaria e acabei perdendo a palestra do Vinícius. A última palestra do dia foi do Fernando Meyer, core developer do JBoss, sobre ANTLR e seu uso na criação de DSLs externas. Gostei pois ele mostrou os conceitos básicos de um compilador (parsing, análise léxica, análise semântica, interpretação, geração de código, etc.) e partiu para um exemplo prático de código. Dei uma ajudinha depois da palestra com um bug (essas coisas acontecem) e os slides e o código estão disponíveis no blog do Fernando Meyer.

 

Fernando Meyer

 

Espero poder participar de mais eventos como esse. Se você assistiu minha palestra, deixe algum comentário (positivos ou negativos). Feedback é sempre importante e me ajudará a melhorar para as próximas apresentações. O que você gostou e não gostou da minha palestra? Você aprendeu alguma coisa? Algumas das idéias surtiram efeito no seu dia-a-dia?

 

Post to Twitter

October 19th, 2007Qualidade Just-in-Time

Acabei de ler um post do Uncle Bob que tem tudo a ver com meu último post. Um trecho interessante que ele diz é:

Acceptance tests should be written at the start of each iteration. QA and Business analysts should take the stories chosen during the planning meeting, and turn them into automated acceptance tests written in FitNesse, or Selenium or some other appropriate automation tool.




The first few acceptance tests should arrive within a day of the planning meeting. More should arrive each day thereafter. They should all be complete by the midpoint of the iteration…

Numa tradução livre:

Testes de aceitação devem ser escritos no início de cada iteração. QA e os analistas de negócio devem pegar as histórias escolhidas na reunião de planejamento e torná-las em testes de aceitação automatizados escritos no FitNesse, Selenium ou outra ferramenta de automação apropriada.




Os primeiros testes devem chegar no dia seguinte ao planejamento. Mais testes devem aparecer nos próximos dias. Eles devem estar completos até a metade da iteração…

Apesar de já concordar com o conteúdo, ele me fez repensar algumas coisas. Como já disse anteriormente, testadores e responsáveis por QA ficam de boca aberta quando digo que o departamento deles não deve existir. Incluo minha irmã nesse grupo, que trabalha no controle de qualidade de um indústria química :-)

O que o Uncle Bob me fez pensar foi que os testes devem aparecer conforme são necessários. É a filosofia Just-in-Time da Toyota aplicada aos testes. Se você escreve os testes (de unidade ou de aceitação) pouco antes de serem necessários você:

  • Evita desperdício escrevendo documentos de casos de teste ou pensando nos cenários mais elaborados do mundo. Seu foco está na pergunta: “Como sei se esta história está terminada?”.
  • Evita a formação de um estoque de código sem teste (sistema pull e não push).
  • Usa o teste para pensar no design do que está construindo.
  • Cria um script automatizado que serve como documentação e ajudará os desenvolvedores que precisarão mexer no seu código futuramente (Benefício Mútuo).

Acho que a partir de agora vou mudar meu discurso. Ao invés de dizer que o departamento de qualidade deve ser extinguido, vou dizer que QA deve ser Lean, Just-in-Time. Acho que essa vai ser uma abordagem mais inclusiva e vai gerar menos confronto. O que você acha?

Post to Twitter

August 14th, 2007Chega de Processos!

Estou há tempos devendo um post sobre o artigo do Ivar Jacobson (um dos inventores do RUP e pai da UML) e seus colegas, primeiramente publicado numa série de artigos da Dr. Dobb's e depois num paper no JOLT. No geral eu concordo com o seu ponto de vista, mas antes de ouvirem (lerem?) o que tenho a dizer, sugiro fortemente ler o artigo original. Pronto? Agora podem continuar a ler meus comentários…

Terminologia

Antes de falar sobre o artigo, queria esclarecer algumas coisas sobre o termo “processo”. Essa palavra geralmente vem carregada de uma série de significados que podem não ser os mesmos de pessoa para pessoa. Se você ler o Manifesto Ágil, verá que “Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas”. Que tipo de processo o Manifesto se refere? Aquele mega-processo formalizado que todos precisam seguir ou, como diz o Tim Lister, processo é tudo aquilo que você faz no dia-a-dia, quando ninguém está olhando (ou avaliando) ou mesmo quando está sobre pressão? Recentemente, a Mary me fez repensar sobre o assunto e ela sugere a palavra “sistema” ao invés de “processo”. Como não é a primeira vez que ela me faz repensar algumas coisas, prestei atenção e concordo com a sua colocação, afinal de contas, independentemente de seguirmos algo padronizado ou não, todos acabamos fazemos alguma coisa no nosso dia-a-dia (alguns podem chamar isso de processo ou não). O “processo” do ponto de vista Lean e o “processo” na definição do Tim Lister não são o mesmo “processo” que o Ivar Jacobson está criticando. Daqui pra frente, quando eu falar em “processo”, estou me referindo ao mesmo processo do Ivar Jacobson.

O inventor do RUP está dizendo que o RUP não funciona?

Não sou o único que acredita que (e conhece) muitas empresas que implantaram o RUP de forma errada. Gostei do exemplo do Vinicius, comparando o RUP com um grande supermercado de processos, onde você faz suas compras (agora, com o OpenUP você pode fazer compras de graça) e coloca no carrinho as coisas que acha mais convenientes. Isso gerou uma série de malefícios na indústria, que vou tentar citar abaixo (alguns não são culpa direta do RUP e, pelo que vi, o OpenUP parece estar bem mais ágil):

  • Processo pesado demais: “Não sei se preciso disso, mas na dúvida é melhor não ficar sem” (quando se trata de comida, minha mãe sempre disse que é melhor sobrar do que faltar) :-)
  • Disfarce para Cascata: Incepção = Levantamento de Requisitos, Elaboração = Análise, Construção = Implementação/Testes e Transição = Implantação. Cabe aqui dizer que já ouvi gente reclamando que o RUP não lida com a fase de manutenção (que seria a próxima fase do Cascata que não aparece nos quadradinhos). Minha resposta para essa pergunta vale outro post, mas precisamos parar de pensar que desenvolver e dar manutenção são coisas totalmente diferentes. O software deve estar em constante manutenção.
  • Processo pelo processo: “Que bom! Já tenho templates de documentos prontos para tudo! É só alocar alguém para prenchê-los”. Pior, eu já vi gente fazendo “RUP” escrevendo toda essa documentação DEPOIS só para seguir o processo. Alguém escreve Use Case depois que já tem algo implementado?!?!
  • Decomposição em especialidades: “Sou apenas arquiteto, não escrevo código” ou “Esse documento é responsabilidade do arquiteto! Não ouse duvidar da sua validade, mero desenvolvedor”
  • Gerenciamento voltado para alocação de papéis e tarefas: “Essas baleias fazem sentido. Não preciso de desenvolvedores no começo e o arquiteto vai estar livre para outro projeto na terça-feira da segunda semana do mês que vem…”
  • Modelagem voltada para documentação: “Preciso gerar esses Use Cases. Preciso gerar os diagramas de classe. Preciso gerar os diagramas de seqûências, …”

Resumindo, concordo com o inventor do RUP que esse tipo de processo precisa acabar e que as pessoas não lêem os livros antes de aplicar os conceitos.

Meu processo é diferente do seu

Como é muito bem colocado no artigo, existem semelhanças entre os diversos processos. Mas o importante é que o processo seja “adaptativo, extensível e capaz de absorver boas idéias” (destaque meu). Ao estudar Lean, você verá que o processo existe apenas para ser desafiado. As pessoas devem ter o poder de mudá-lo sempre que encontrarem desperdícios ou pontos de melhoria. Se você estava atrás de um processo que resolveria todos os seus problemas, O processo que seria padrão da empresa, sinto informar que ele não existe (e não sou nem eu que estou dizendo, o Fred Brooksdisse isso há bastante tempo). Definir um comitê para definição DO processo é, no mínimo, um desrespeito ao intelecto das pessoas que irão seguí-lo. Como um grupo de pessoas que não está trabalhando (e usando o processo), pode definir o melhor jeito que algo deve ser feito?

Além disso, os Métodos Ágeis já sabiam dessas coisas há um certo tempo. Crystal coloca a reflexão como uma das bases da metodologia e, mais pra frente, as reuniões de Retrospectiva foram incorporadas em outros processos como Scrum e XP. Hoje em dia, utilizo retrospectivas em vários contextos! É uma ótima forma de aprender com nossos acertos e erros e de melhorar para o futuro.

Concordo com todas as críticas aos processos colocadas por Ivar Jacobson: que têm diversos pontos em comum, que nunca serão totalmente completos em todos os aspectos, que nunca serão adotados de forma completa ou by-the-book, que não transmitem o conhecimento de forma eficiente e que podem ser estúpidos em alguns casos.

Usem práticas!

A solução do Jacobson é não focar mais em processos completos e pesados, mas sim em catalogar uma coleção de práticas. Cada prática deve ser isolada e atacar um aspecto específico do desenvolvimento. Dessa forma, cada “metodologista” (como ele diz) pode montar (e mudar) o seu processo conforme suas necessidades. O que eu achei legal na definição dele é que cada prática deve se “auto-verificar”. Em outras palavras, ela deve estabelecer um objetivo claro e uma forma de avaliar se esse objetivo foi atingido. As métricas de acompanhamento podem ajudar bastante aqui.

Apenas práticas resolvem?

Apesar de eu concordar com a mudança de foco (processos para práticas), ainda acredito que só as práticas em si não são tudo. Em XP, as 12 práticas originais dobraram (13 práticas primárias + 11 práticas corolárias). E isso foi feito com base nos valores e princípios da metodologia. XP se baseia nos valores da comunicação, feedback, simplicidade, coragem e respeito. São a forma como avaliamos uma determinada situação (seja desenvolvendo software ou arrumando a casa). Valores são amplos, enquanto práticas são específicas. Não consigo convencer minha empregada a usar TDD ou Programação Pareada para limpar meu quarto, mas posso conversar de forma respeitosa e mostrar que não faz sentido guardar um pé do tênis junto com um pé do sapato. Você pode chamar isso da prática do Calçado Pareado se quiser :-)

Na segunda edição do livro de XP, Kent Beck define melhor ainda os princípios da metodologia, que ajudam a traduzir os valores (amplos) em práticas (específicas). Acredito que para adaptar um processo de forma consciente e eficiente, não basta olhar apenas para um repositório de práticas e sair escolhendo. Precisamos dessas ferramentas mentais para auxiliar a adaptação para nossa situação. No livro Lean Software Development, por exemplo, a Mary e o Tom se focam quase exclusivamente nos princípios. A GM e A Ford tentaram copiar as práticas da Toyota e não conseguiram atingir os mesmos resultados.

Eliminamos os processos. E as ferramentas?

Minha última crítica ao artigo do Jacobson é que ele dá todos os argumentos contra os processos e, no final, mostra uma nova ferramenta, o EssWork, para gerenciar o repositório das práticas (e seus cartões), para organizar a forma de trabalho da equipe (seu processo) e para integrá-lo com as ferramentas de desenvolvimento da equipe. Não que eu seja totalmente contra o uso de ferramentas, mas assinei o manifesto e prefiro valorizar indivíduos e interações. Até chegar nessa parte eu estava gostando da idéia dele de utilizar cartões para representar as práticas e para montar o processo da equipe. Digamos que me decepcionei um pouco no final, mas nada que invalidasse o resto das coisas que havia gostado.

Acredito que ouvir uma opinião dessas de um cara tão respeitado pelos mais “tradicionalistas” é muito encorajador para nós. Segundo ele mesmo coloca, estamos numa fase de transição para uma nova era da engenharia de software e acredito que os Métodos Ágeis servirão como uma excelente base para mudarmos o cenário da nossa indústria.

Post to Twitter

Qual a melhor forma de medir o sucesso de uma equipe? Os Métodos Ágeis promovem um processo empírico para desenvolvimento de software, baseado na colaboração e no feedback trazido por ciclos curtos de inspeção e adaptação. Encontrar maneiras eficazes de avaliar o processo e a equipe não é uma tarefa simples. O senso comum leva à decomposição e à proliferação de diversas métricas baseadas na premissa de que se cada parte do processo for otimizada, os resultados do processo como um todo serão otimizados também. Quando critiquei o modelo hierárquico do IO-Map, minha preocupação era justamente essa. Ao tentar micro-otimizar partes de um sistema por meio de diversas métricas, o objetivo verdadeiro se perde em meio a tantos outros substitutos e a equipe perde sua capacidade de tomar decisões num nível mais macro.




Um outro problema com métricas bastante conhecido (o Vinícius comenta sobre isso em um dos seus podcasts) é que as pessoas geralmente se comportam de acordo com a forma que são avaliadas. Robert Ausin, no livro Measuring and Managing Performance in Organizations, discute os problemas da avaliação de desempenho baseada em métricas e destaca que sua principal vantagem (“Você tem o que você mede”) é também sua principal desvantagem (“Você tem exatamente o que você mede, e nada mais”). Métricas manipuláveis serão manipuladas. Esse é o lado triste da história.




Por isso queria aproveitar esse post curto para discutir uma classificação interessante, que pode te ajudar a refletir quando estiver pensando em utilizar uma nova métrica.

Métricas Organizacionais

Também conhecidas como “métricas de avaliação” na abordagem Lean. São as métricas que medem o sistema como um todo, no nível mais alto. Elas medem o quanto de valor seu processo consegue entregar. A abordagem Lean sugere uma prática conhecida como Measure Up, onde você usa uma medida de avaliação que foge do controle de qualquer sub-parte do processo, incentivando a colaboração entre os indivíduos de diferentes equipes e evitando a micro-otimização. Essas métricas-chave devem ser geralmente escolhidas pelo cliente ou quem quer que espera extrair algum valor do sistema. Como consequência dessa prática, você acaba ficando com um número muito menor de métricas. Recentemente apresentei na XP@Rio alguns exemplos de métricas organizacionais:

  • Cycle Time: métrica Lean mais conhecida que mede o tempo médio para que seu processo atenda uma nova requisição. Essa métrica geralmente surge depois que a equipe entende seu Value Stream Map e o conceito importante é que ela começa a contar com o cliente e só termina quando o cliente é atendido.
  • Métricas Financeiras: o investimento de muitos projetos de software é justificado com base na melhoria de alguma métrica financeira. Essa métrica pode ser o Retorno de Investimento (ROI), Net Present Value (NPV), uma matriz de lucros e perdas ou coisas desse tipo. Como uma equipe consegue melhorar esses números de outra forma que não seja entregando o software?
  • Satisfação do Cliente: Se você está preocupado em entregar valor para seu cliente, o quão satisfeito ele está? Uma métrica sugerida pela Mary e pelo Tom para medir isso é o Net Promoter Score, uma medida simples que verifica se seus clientes recomendariam seu produto para outro cliente.

Métricas de Acompanhamento

Também conhecidas como “métricas de diagnóstico”, “indicadores” ou “métricas informativas”. Elas são medidas internas da equipe que auxiliam na melhoria do processo, através dos ciclos de inspeção e adaptação. Essas métricas agregam dados, mas não os associam com nenhum indivíduo, assim como não devem ser atreladas ao valor que está sendo entregue. Seu ciclo de vida também é geralmente mais curto. Uma vez que o processo evoluiu, elas se tornam desnecessárias e devem ser descartadas. Novas métricas de acompanhamento deverão surgir conforme a equipe avança e o ciclo continua, em busca da melhoria contínua.

Um exemplo amplamente utilizado desse tipo de métrica é a velocidade. Espera-se que, após um certo tempo, a velocidade do time se estabilize (se nenhum fator externo acontecer, como mudança de membros da equipe ou mudança da linguagem de programação). Uma vez que a velocidade se torna “conhecida”, a equipe geralmente não precisa mais medí-la.

Como esse tipo de métrica surge em diferentes contextos e problemas, podemos pensar em diversos outros exemplos. Supondo que a equipe está tentando melhorar nas práticas de teste, pode utilizar a cobertura de código como métrica de acompanhamento. Se querem melhorar a integração contínua, podem medir o tempo entre commits, ou o número de linhas alteradas em cada commit. E por aí vai…

Propaganda Descarada

Aproveitando o assunto (que oportuno!), vou fazer uma propaganda descarada da defesa da minha dissertação de mestrado, na próxima sexta-feira. As informações para quem estiver interessado em assitir são:

Título: “Uso Eficaz de Métricas em Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software”

Orientador: Alfredo Goldman

Local: Instituto de Matemática e Estatística (IME/USP)

Sala: 256 Bloco A

Data: 29 de Junho de 2007

Horário: 9:30hs

Post to Twitter

June 23rd, 2007XP 2007 – Dia 5

No último dia da conferência, um tutorial pela manhã e um workshop de tarde. Alguns dos temas do dia foram: barreiras invisíveis, teoria das restrições e área de trabalho informativa.

How to Overcome Invisible Barriers – Christoph Steindl e Christian Federspiel

Esse tutorial da parte da manhã foi o mais fraquinho dos que participei. Apesar disso, pude aproveitar algumas das idéias apresentadas e acho que elas podem trazer valor na hora de discutir um problema invisível. Como o Tom de Marco disse: “Não importa qual o problema, é sempre um problema com pessoas”. Algumas das ferramentas apresentadas e exercitadas ao longo da sessão foram:

  • 5 Por Quês?: Essa é uma excelente ferramenta que a Toyota usa quando precisa encontrar a verdadeira causa de um problema. Corrigir sintomas não curam a causa, então ao perguntar o “Por Quê?” do “Por Quê?”, você quase sempre chega na raíz. Essa ferramenta eu já conhecia e posso dizer que ajuda muito.
  • Diagrama de Resolução de Conflitos (Conflict Resolution Diagram ou CRD): Uma forma de estruturar um conflito de idéias entre membros da equipe e explorar as suposições que estão por trás daquilo. Apesar de não ter gostado muito da forma como o modelo te obriga a preencher alguns poucos quadradinhos, tirei duas idéias boas do exercício: ele te força a pensar no objetivo em comum por trás das suposições dos pontos de vista opostos e ele te força a usar palavras extremas e exageradas ao defender as diferentes suposições. Com isso, você acaba chegando em frases do tipo: “Tecnologias tradicionais NUNCA são arriscadas”, “A ÚNICA forma de motivar os desenvolvedores é utilizando tecnologias de ponta” ou “As novas tecnologias são SEMPRE o MAIOR risco”.
  • Mapa de Objetivos Intermediários (Intermediate Objective Map ou IO-Map): Uma árvore para estruturar os fatores críticos de sucesso e as condições necessárias para atingir um objetivo (raíz da árvore). Acredito que é fácil utilizar essa ferramenta do jeito errado (quebrando o objetivo em diversos fatores de sucesso e sub-otimizar as partes ao invés do todo), no entanto tirei uma lição do exercício prático: mesmo não sendo muito eficaz, ela te força a pensar sobre o objetivo e a expressar essas idéias, levando a um maior entendimento a respeito do objetivo (ou mesmo encontrando um objetivo melhor).

Nosso Diagrama de Resolução de Conflitos

Além dessas ferramentas, o palestrante comentou rapidamente sobre outras (nem vale a pena citar, pois achei muito complicado e estranho) e sobre a Teoria das Restrições, que é uma boa forma de tratar um problema sistêmico (ao invés de otimizar partes, você precisa focar na sua maior restrição). Eu já conhecia um pouco sobre a Teoria das Restrições e acho que ela é muito alinhada com os valores Lean.

Reface Your Team Space – Patrick Kua

Um workshop excelente do Patrick Kua, da Thoughtworks de Londres. Em uma atividade interativa e criativa, discutimos em equipes diversas formas de exibir informações no espaço de trabalho. Como podem ver pelas fotos, passamos boa parte do tempo rabiscando e discutindo várias formas de tornar o progresso visível e ajudar a equipe a entender o andamento do projeto (tanto da iteração atual quanto do projeto como um todo).

Primeira Iteração do Quadro Branco

Na segunda parte do workshop, sentamos em uma espécie de “mesa-redonda” (sem a mesa no meio) e discutimos diversas práticas e ferramentas que utilizamos em projetos passados. Levantando idéias que deram certo e outras que não deram certo, aprendi bastante com a experiência das outras pessoas. Algumas das coisas que compartilhei que as pessoas gostaram:

  • Retrospectivas fora do ambiente de trabalho: quando a retrospectiva é feita no mesmo (ou próximo do) ambiente de trabalho, eles tendem a se concentrar menos, pois estão no seu habitat natural. Ao invés de rearranjar ou refatorar o ambiente para diversos propósitos, as vezes é melhor trocar de ambiente. Essa técnica funcionou muito bem para mim.
  • Humorômetro: já utilizei essa técnica em diversos projetos e todo mundo parece gostar e adotar. A idéia é japonesa, e se chama Niko-niko calendar. Cada membro da equipe tem uma linha num calendário e, ao final do dia, cola um adesivo colorido ou desenha um smiley que representa seu humor naquele dia. Esse indicador geralmente não serve para a comunicação com gerentes ou pessoas externas (Não é para virar algo do tipo: “Em média, o Fulano é mais triste que o Siclano”), mas sim como um fator de motivação dentro da equipe. As pessoas tendem a soltar a criatividade e eu diria que 99% dos projetos que começaram a usar decidiram continuar com essa prática.
  • Combinados ao invés de regras: essa foi uma idéia que o Cícero, da Paggo, compartilhou com a gente na última palestra no IME. Ao invés de definir regras para a equipe, ele define “combinados” pois é algo que as pessoas concordam em seguir e soa menos como uma imposição. E outra coisa: quando você combina alguma coisa, sua responsabilidade em cumprir o combinado é muito maior do que quando quebra uma regra alheia.

E agumas coisas legais que aproveitei e vou testar:

  • Mantra do dia: a equipe tem uma pilha de “mantras” e a cada dia, na reunião em pé, uma é escolhida e compartilhada na área de trabalho.
  • Diferentes materiais: estou trazendo comigo post-its em forma de setinhas que são muito legais. Além disso, conheci uma folha de papel com estática (não sei o nome certo) que gruda na parede e serve como quadro branco improvisado. Infelizmente não sei se vou conseguir achar um desses no Brasil. Outra idéia boa de material é usar uma espécie de cera (ou massinha) para grudar os cartões na parede.
  • Sinais sonoros: quando o build quebra, ao invés de mandar e-mail (que na minha experiência não é uma boa mídia, pois as pessoas ignoram depois de um tempo) ou usar uma lava-lamp (que é legal, mas hardware X10 no Brasil é muito caro), usar algum sinal sonoro para avisar que tem algo errado. Pensei na trilha do plantão da globo, pois essa é uma música que sempre me assustou e me fez prestar atenção. :-)
  • Tokens: além do token da reunião em pé e da integração, que já utilizei em algumas ocasiões, conheci outros tipos de tokens: um peixe, para quando alguém começa a desviar do assunto você arremessar e “pescá-lo” de volta; um timer de tomate (aqueles de cozinheiro), para usar como estimativa e para servir como cronômetro e focar o trabalho durante um certo período de tempo (olha que divertido: “Essa história eu estimo em 4 tomates”).
  • Sino da História: um sino que é tocado sempre que um par termina uma história. Numa equipe grande isso pode ser uma boa forma de mostrar que as coisas estão andando.
  • Nariz de Palhaço: esse pode ser um pouco ofensivo, mas se o seu build estiver quebrando frequentemente, considere premiar alguém com um desses. :-)

Quadro Branco Refatorado da Outra Equipe

Na discussão, surgiram assuntos relacionados ao espaço físico da equipe. Uma idéia interessante foi a existência de um espaço coletivo, onde a equipe pareia, e um espaço privatido onde cada um pode fazer coisas pessoais e falar no celular. O Kent Beck descreve um ambiente assim no segundo livro de XP. Outra idéia foi utilizar as janelas para colar post-its ou cartões. Eu já testei e é uma boa forma de ganhar espaço quando o número de quadro brancos é restrito. Só não deixe os post-its colados por muito tempo (mais que 10 minutos) pois eles tendem a cair. A gravidade atrapalha. :-)

Por fim, uma pequena discussão sobre a eficácia das informações visuais espalhadas pela área de trabalho: se alguém não está mais olhando alguma coisa (ou atualizando), se você tem muitas coisas espalhadas ou muitas informações, geralmente é um bom sinal para refatorar seu espaço de trabalho. As reuniões de retrospectivas são um bom momento para discutir coisas desse tipo e descobrir o que está sendo realmente útil e o que é apenas “barulho visual”.

Conclusões e Próximos Passos

Essa conferência foi muito proveitosa. Pelo fato de ser bem menor que a Agile (esse ano foram aproximadamente 200 participantes), tive a oportunidade de ficar muito mais perto de pessoas importantes como Kent Beck, Joshua Kerievsky, Mary e Tom Poppendieck, dentre outros. Além disso, conheci muitas pessoas da comunidade XP na Europa e tive a chance de compartilhar experiências e aprender bastante. Esse tipo de evento é sempre empolgante e estimulante, pois saímos com diversas idéias novas. Espero poder compartilhar algumas dessas idéias com a comunidade ágil do Brasil e volto no final de semana com vontade de fazer um monte de coisas novas por aí. Me aguardem… :-)

Post to Twitter

June 20th, 2007XP 2007 – Dia 2

Lean, velocidade, Ferrari e computadores quânticos foram alguns dos temas do meu segundo dia na XP2007: uma palestra pela manhã, a main track começando durante a tarde e muitas coisas interessantes acontecendo.

Lean Software Development – Mary e Tom Poppendieck

Minha programação do dia era assistir outra palestra, sobre Anti-Padrões em Métodos Ágeis, porém o palestrante não conseguiu chegar a tempo em Como. Isso não é um grande problema para alguém ágil, afinal um plano é apenas um plano, certo? Fui então assistir o tutorial excelente sobre Lean Software Development. Apesar de já ter participado da sessão dos mesmos autores na Agile 2006, pude vivenciar na prática a construção e a análise de um Value Stream Map, uma ferramenta muito boa para encontrar desperdícios em um processo.

Mary Poppendieck on Lean

Um dos tópicos interessantes discutido no tutorial foi levantado por alguém da platéia e se encaixa perfeitamente numa das recentes discussões na XP@Rio: “O que levar em consideração no cálculo da velocidade?”. Assim como eu disse, a Mary argumentou que a velocidade é uma medida de capacidade (eu chamei de cadência) e, portanto, todo tempo que é gasto durante a iteração deve ser levado em consideração: seja com design, teste, desenvolvimento, integração ou tirando dúvida com o cliente. A velocidade é uma medida da capacidade da equipe para entregar software funcionando no final da iteração (ou release). No contexto Lean, ela serve como ferramenta para cortar desperdícios. Se sua “lista de coisas a fazer” é maior que sua capacidade de entrega, então você pode estar desperdiçando tempo gerenciando coisas com baixa prioridade. O conselho da Mary é que essa lista não tenha mais trabalho do que a equipe consegue entregar nas próximas 2 ou 3 iterações.

Velocidade

Se a sua capacidade de entrega (velocidade) é a segunda seta, não faz sentido querer entregar (ou gerenciar) a primeira seta. Ao final do tutorial, fui falar com ela sobre nossa discussão e eis o que ela me disse:

  • Sim, bugs definitivamente devem ser contados na velocidade pois impactam a capacidade de entrega freqüente de software.
  • Defeitos não devem ser tolerados. Um processo que permite defeitos é um processo defeituoso. Se você chegar em qualquer linha de produção (manufacturing) e disser isso, eles irão concordar facilmente. No mundo do software isso ainda não aconteceu.

Dentre outros tópicos interessantes que foram levantados no tutorial, destaco mais um: a importância de Respeitar as Pessoas. O Teste de Litmus deve dar uma boa idéia sobre a motivação de seus funcionários: “Quando alguém está chateado com alguma coisa no trabalho, ele reclama, ignora ou tenta arrumar?”. Ainda nessa discussão, Mary falou sobre o papel dos padrões numa empresa Lean: “Padrões são feitos para serem questionados. Servem apenas como base para mudanças”. Na sua empresa, padrões são impostos ou desafiados? (não responda se não quiser – ou não puder) :-)

Keynote: The grand-prix starts at 2 o'clock – A race to race software development eXPerience – Piergiorgio Grossi

No keynote de abertura, o CTO da Ferrari (sim, a equipe de corrida na Fórmula 1) apresentou como eles usam XP para gerenciar seus (diversos) projetos. Apresentaram algumas coisas interessantes como a urgência das coisas (mudança é uma constante. A cada corrida os clientes mudam suas prioridades), a dificuldade de determinar os testes de aceitação (o cliente nem sempre sabe exatamente o que quer. Ex: “Nosso software de estratégia de corrida deve levar em conta a nova regra e devemos usar os 2 tipos de pneu durante a corrida”) e os desafios de lidar com um número pequeno de programadores e diversos projetos (segundo eles, uma taxa de 1:5).

Artigos, Painel de Discussão e Outras Coisas Mais…

O resto da tarde foi bem variado. Assisti algumas apresentações de artigos publicados (para ter uma idéia do tempo disponível e para me preparar para apresentar o meu amanhã). Outra parte interessante foi um painel de discussão aberto, no estilo fishbowl. Para quem não conhece, é um estilo de discussão onde as pessoas levantam tópicos e um moderador escolhe o primeiro a ser discutido. Quem estiver interessado em discutir vai ao centro (daí o termo “aquário”) e discute. Qualquer um pode entrar ou sair em qualquer tópico. Após um tempo pré-determinado, o moderador pergunta se a platéia quer continuar a discutir o mesmo tema ou trocar (cada um tem um post-it vermelho e um verde para votar). Nessa discussão aberta surgiram alguns tópicos interessantes:

  • Agilidade e valor de negócio: cheguei um pouco no meio da discussão, mas uma frase impactante veio do Joshua Kerievsky: “Agile is Dead”. Mais sobre o assunto daqui a pouco.
  • O futuro ágil?: Acreditam que deve continuar existindo, assim como muitas coisas “velhas” ainda existem, como Cobol, sistemas legados, etc. Alguém levantou uma preocupação do Ken Schwaber em 2002 sobre o perigo das abordagens ágeis se tornarem tão rígidas, estruturadas e burocráticas como aconteceu com outras coisas.
  • Como sustentar as mudanças propostas pelos Métodos Ágeis?: Citaram novamente a importância da motivação, contando a história dos trabalhadores quebrando pedras (não consegui achar uma boa referência, vou deixar a história nos comentários). Comentaram também sobre o perigo da desvalorização dos coaches e das empresas que deixam as práticas ágeis degradarem com o passar do tempo.

Por fim, foi proposto um novo formato de discussão: um “Agile Café” (ou, como alguns preferiram: “Agile Bar”). As pessoas sentam nas mesas do lado de fora do hotel para discutir qualquer assunto relacionado ao mundo ágil e quem estiver interessado pode se juntar e debater o assunto em questão. Se ninguém estiver discutindo, você pode sentar e esperar alguém aparecer para discutir o assunto que desejar. Logo após o fim da conferência, já fui participar de um e aproveitei bastante. Dentre algumas das discussões que tivemos, destaco:

  • Agilidade não existe: existem diferentes “sabores” de metodologias. Você sempre discute com base nos sabores que conhece (ou experimentou). Como uma coisa que não existe pode viver (ou morrer)? :-)
  • Evolução e Computadores Quânticos: apresentei a idéia do Dick Gabriel sobre design evolutivo (aquele que um humano não consegue explicar ou entender), seus paralelos com a biologia, algoritmos genéticos e tudo mais. Uma idéia interessante (viagem) que surgiu da discussão foi a utilização de TDD para definir o comportamento esperado do sistema e deixar que um algoritmo genético evolua uma solução aceitável. Claro que para evitar a explosão combinatória precisaríamos de computação quântica, mas não sabemos o que o futuro nos prepara. :-)

Mais um dia produtivo na Itália com muitas idéias e pessoas interessantes. Volto com mais novidades/relatos amanhã (ou hoje, se conseguir conexão no fim do dia).

Post to Twitter

July 26th, 2006Agile 2006 – Dia 4

Penúltimo dia de conferência. Minha agenda de voluntário está cheia nesses dois últimos dias e,
para minha sorte, consegui alocar o trabalho nas sessões mais interessantes. Hoje assisti (em ambos os
sentidos) dois autores famosos: Mary Poppendieck e Kent Beck.

From Concept to Cash: Managing the Pipeline – Mary Poppendieck

Mary é uma pessoa incrível e uma ótima apresentadora. Ela está trabalhando num novo livro que será continuação
do famoso “Lean Software Development”,
chamado “Implementing Lean Software Development: From Concept to Cash”
e que será lançado em Setembro desse ano. Na palestra ela falou sobre alguns dos princípios do pensamento
“Lean” aplicados no contexto do desenvolvimento de software. A idéia tem suas origens no Sistema de Produção da
Toyota para manufatura de carros “just-in-time”. Mais tarde essas idéias foram reutilizadas no contexto do desenvolvimento
de produtos (e onde ela tem muita experiência trabalhando para a 3M).

Sabemos das limitações da antiga metáfora que
compara o desenvolvimento de software à manufatura ou à engenharia civil. Se existe algo de parecido entre esses
dois mundos, devemos comparar o desenvolvimento de software com o desenvolvimento de produtos: uma área onde o sucesso
depende de um ambiente criativo e adaptativo.

A palestra foi muito informativa e esclarecedora. O timing também foi excelente. Dentre os principais tópicos que
ela cobriu, cito alguns:

  • Princípios “Lean”: aplicados no contexto do desenvolvimento de software.
  • Liderança: a importância de enxergar o todo, evitar a micro-otimização e o papel da liderança nas soluções mais bem sucedidas.
  • Desperdício: eliminar desperdícios é o principal foco do pensamento “Lean”. Ela falou sobre as principais fontes de desperdício em projetos de software.
  • Indivíduos e Times: a importância do trabalho em equipe.
  • Conhecimento: o momento certo de tomar uma decisão. Atrase decisões irreversíveis para o último momento.

Aprendi muita coisa nessa sessão e estou ansioso para terminar de ler seu primeiro livro, que comecei a ler na semana
passada no aeroporto. Aqui vai uma foto que tirei ao final da sessão (depois de recolher os milhares de formulários
de avaliação da palestra):

Mary and Tom Poppendieck

XP Geography: A Guide to Mapping Your First Steps – Kent Beck e Cynthia Andres

Na parte da tarde foi a vez da palestra do Kent Beck e sua esposa Cynthia Andres! A palestra durava o dia inteiro,
então o Sergei cobriu a parte da manhã e eu fiquei com a parte da tarde. Como peguei
as coisas no meio do caminho, acabei perdendo uma parte da palestra. Porém, pelo material que estava espalhado na
sala e pelos desenhos no flip chart, eu pude perceber que ele havia falado sobre os valores, princípios e
práticas de XP, explorando algumas das práticas primárias através de Mind Maps.

Na parte da tarde, eles falaram sobre uma técnica chamada “Appreciative Inquiry”,
onde um time lembra de fatos positivos sobre o passado e tenta aplicá-los em situações no presente. Os participantes
trabalharam em pares: enquanto um contava sua história o outro capturava os pontos positivos. Depois de um tempo os
papéis se invertiam. Ao final, cada mesa trabalhava em conjunto para compartilhar as experiências e lições aprendidas.

No final da palestra ele falou sobre a importância do comprometimento e da responsabilidade para uma mudança
sustentável. Apesar do lado um pouco filosófico, eu achei muito interessante a forma com que o tutorial foi
conduzido, pois fez os participantes realmente pensarem sobre os valores por trás das práticas de XP e, mais ainda,
na forma em que esses valores podem ser aplicados durante a implantação sustentável de XP na sua organização.

Kent Beck and Cynthia Andres

Após as palestras eu estava realmente cansado e decidi não participar da
festa promovida pela Google e voltei para
o albergue para descansar. Amanhã será mais um dia de agenda cheia, então quero estar com as energias recarregadas
para aproveitar o último dia da conferência.

Post to Twitter


© 2007-2009 Danilo Sato | Powered by Wordpress

Page optimized by WP Minify WordPress Plugin