Clique aqui para ler em Português

Agile Brazil 2011

I’m excited to be going to Fortaleza at the end of this month to present and organize Agile Brazil 2011. Last year in Porto Alegre I decided to focus on the organization aspects of the conference, but this year I decided to present again. Even though I’ve been participating in conferences around the world, my last talk in Brazil was in 2008 and I really miss being around the Brazilian community and sharing experiences with everyone. That’s why I’m happy to be presenting in (mostly) Portuguese again :-)

Managing your technical debt – June 29th

In this 50 minutes talk, I will cover a few practices and ideas I’ve used and seen used in projects to manage technical debt responsibly. Some of the topics I will cover are:

  • What is technical debt and what are the consequences of incurring it
  • Ideas on how to identify “hot spots”
  • How to prioritize and plan the payment of your debt
  • Tracking and visibility
  • How to avoid incurring debt
  • Communicating the importance of paying technical debt to non-technical managers and stakeholders

Slicing and dicing your user stories – July 1st

Co-presenting with Jenny, in this 50 minutes talk we will discuss the benefits of working with small user stories, and present different ways to split requirements into user stories. The session will cover topics related to:

  • What makes good user stories
  • How to break down features into smaller chunks without losing track of the overall goal
  • Different ways to split stories into vertical slices
  • Helping stakeholders to track and understand how the feature will be delivered piece by piece
  • Planning the delivery to increase feedback

Refactoring Katas – July 1st

In this 10 minutes Lightning Talk, I’ll share an idea I’ve been using to practice refactoring. Using a different Kata format, I will explain the mechanics and quickly demonstrate it in practice.

If you haven’t registered yet, you can still register online. And if you are around Rio and São Paulo the following week, I will be giving ThoughtWorks’ AWS Training, which you can register here. I’m looking forward to seeing you in Fortaleza!


Agile Brazil 2011 – Eu vou!

Estou empolgado com a viagem para Fortaleza no final do mês para participar e organizar a Agile Brazil 2011. No ano passado em Porto Alegre, eu decidi me focar mais na organização do evento, mas esse ano resolvi apresentar. Mesmo estando participando de diversas conferências ao redor do mundo, minha última palestra no Brasil foi em 2008 e eu sinto saudade de estar compartilhando experiências com a comunidade brasileira. É por isso que estou feliz por apresentar (na maior parte) em Português novamente :-)

Gerenciando sua dívida técnica – 29 de Junho

Nessa palestra de 50 minutos, eu vou apresentar algumas idéias e práticas que tenho usado para gerenciar dívida técnica de forma responsável. Alguns dos tópicos que irei abordar:

  • O que é dívida técnica? Quais os sintomas mais comuns e qual as consequências do acúmulo de dívida técnica?
  • Formas de identificar e encontrar “hot spots
  • Como priorizar e planejar o pagamento da dívida
  • Tracking e visibilidade
  • Como evitar o acúmulo
  • Idéias para convencer gerentes e pessoas sem conhecimento técnico sobre a importância de pagar a dívida

Slicing and dicing your user stories – 1 de Julho

Apresentado junto com a Jenny, essa palestra de 50 minutos vai discutir os benefícios de usar user stories pequenas e apresentar diferentes formas de dividir requisitos em histórias. A palestra vai cobrir tópicos sobre:

  • Características de boas user stories
  • Como quebrar funcionalidades em pedaços pequenos sem perder a visão do todo
  • Diferentes idéias para quebrar requisitos em fatias verticais
  • Formas de ajudar stakeholders a rastrear e entender como uma funcionalidade será entregue em pedaços menores
  • Planejamento da entrega para maximizar o feedback

Refactoring Katas – 1 de Julho

Nessa Lightning Talk de 10 minutos, vou compartilhar uma ideia que tenho usado para praticar refatoração. Usando um formato de Kata diferente, vou explicar a mecânica do exercício e demonstrar um pouco como ela funciona na prática.

Se você ainda não se inscreveu, ainda pode se inscrever online. E caso esteja por perto no Rio e em São Paulo na semana seguinte, estarei ministrando o Treinamento AWS da ThoughtWorks, que você pode se inscrever aqui. Vejo vocês em Fortaleza!

Post to Twitter

Clique aqui para ler em Português

With my visit to Brazil to attend Agile Brazil 2011, ThoughtWorks is organizing two classes of our AWS (Amazon Web Services) training in Brazil. If you are near Rio de Janeiro on July 6th or near São Paulo on July 7th, don’t miss the chance to participate!

ThoughtWorks AWS Training is a one-day, hands-on training course for developers, systems administrators and all technologists who want to embark on a technical deep-dive of Amazon’s powerful AWS tools. Developed in partnership with Amazon, the class will lead you through the AWS infrastructure services, and show you how to architect and deploy your applications “in the cloud”.

Target Audience

  • Developers
  • Architects
  • System Administrators
  • Technologists in general

Prerequisites

  • Basic Unix command line experience required. No previous AWS experience necessary
  • AWS account configured and setup (registered directly with Amazon)

What you’ll learn

  • Understand how Amazon EC2, S3, EBS, VPC, CloudFront and other services work together to form a scalable web architecture
  • Gain hands-on experience provisioning machines, managing storage, caching content at network endpoints, and more
  • Walk through migrating systems from internal infrastructure to Amazon
  • Understand use cases, best practices, and tips to make cloud computing easier

Topics

  • Introduction to Amazon Web Services
  • S3 (Simple Storage Service)
  • CloudFront and Import/Export
  • EC2 (Elastic Compute Cloud), Availabitilty Zones, and Regions
  • EBS (Elastic Block Storage)
  • Managing security
  • ELB (Elastic Load Balancing)
  • CloudWatch and AutoScaling
  • VPC (Virtual Private Cloud)
  • RDS (Relational Database Service)
  • Architecture / Migrating systems to AWS

More Information

For more information about prices and registration, please go to the training’s page on ThoughtWorks’ website. If you have any questions, get in touch or leave a comment here!


Treinamento AWS no Brasil

Aproveitando minha visita ao Brasil para participar da Agile Brazil 2011, a ThoughtWorks vai promover duas turmas do nosso treinamento do AWS (Amazon Web Services) no Brasil. Se você está perto do Rio de Janeiro no dia 6 de Julho ou perto de São Paulo no dia 7 dia Julho, não perca a chance de participar!

O treinamento Amazon Web Services (AWS) da ThoughtWorks é um workshop de um dia para desenvolvedores, administradores de sistema e pessoas interessadas em tecnologia que querem embarcar numa experiência “hands-on” das poderosas ferramentas do AWS. Desenvolvido pela ThoughtWorks em parceria com a Amazon, esse curso vai guiá-lo através dos serviços de infra-estrutura do AWS e mostrar como arquitetar e fazer deploy de suas aplicações “na nuvem”.

Público-Alvo

  • Desenvolvedores
  • Arquitetos
  • Administradores de Sistema
  • Interessados em Tecnologia em geral

Pré-Requisitos

  • Conhecimento básico em linha de comando (terminal)
  • Conta configurada com acesso ao AWS (registre-se diretamente com a Amazon)

Benefícios

  • Entender como EC2, S3, EBS, VPC, CloudFront e outros serviços do AWS trabalham em conjunto para criar uma arquitetura web escalável.
  • Ganhar experiência “hands-on” provisionando servidores, gerenciando armazenamento, fazendo cache de conteúdo em CDN, e mais.
  • Discutir formas de migração de sistema internos para insfra-estrutura na Amazon.
  • Entender os casos de uso, boas práticas, e dicas de como aproveitar computação em nuvem de forma efetiva.

Tópicos

  • Introdução ao Amazon Web Services
  • S3 (Simple Storage Service)
  • CloudFront e Import/Export
  • EC2 (Elastic Compute Cloud) e Regiões
  • EBS (Elastic Block Storage)
  • Gerenciamento de segurança
  • ELB (Elastic Load Balancing)
  • CloudWatch e AutoScaling
  • VPC (Virtual Private Cloud)
  • RDS (Relational Database Service)
  • Arquitetura / Migração de sistemas para o AWS

Maiores Informações

Para maiores informações sobre preços e formas de inscrição, por favor acesse a página do treinamento no site da ThoughtWorks e preencha o formulário de contato. Caso tenha alguma dúvida, entre em contato ou deixe um comentário aqui!

Post to Twitter

Clique aqui para ler em Português

I’m one of the organizers of the program committee for Agile Brazil 2010, and we’re very happy to announce that ThoughtWorks has agreed to sponsor the visit of Martin Fowler, our Chief Scientist, as one of our keynote speakers. Since this is Martin’s first visit to Brazil, I decided to ask him some questions that I thought would be of interest to the participants, and he has kindly agreed to participate in this mini-interview:

Q: What have been keeping you busy lately?

Martin Fowler: Overwhelmingly it’s my upcoming book on DSLs. I found writing books to be hard work, and it’s actually getting harder. By June I expect all of the content will be cast so my mind will be able to get away from it – which I’m very much looking forward to.

Q: What are your expectations about Agile Brazil 2010?

MF: I try not to have expectations about things, that way my mind can be open to the reality when I see it. I’ve been doing conferences frequently for two decades now, so it’s hard to get excited about them. I am excited about coming to Brazil. It will be my first time in South America and both I and my wife have long wanted to come down.

Q: What are you going to talk about in your keynote?

MF: I have no idea. I often don’t decide on my keynote until very close to speaking – often doing extemporaneous talks <http://martinfowler.com/bliki/ExtemporarySpeaking.html>. Recently I’ve been doing keynote talks consisting of three or so talklets, some with slides, some without. But exactly how I’ll do it is something I may only decide the night before.

Q: How do you see the Brazilian software community influencing the future of Agile?

MF: It’s hard to say, as I’m not that familiar with the Brazilian software world. I’ve been very impressed by the Brazilian ThoughtWorkers I’ve met over the years, so I know there’s great potential here. I’m generally keen to see more varied cultures contribute to the software world, I think it’s an important part of us growing as a profession.

Agile Brazil 2010 is going to be an incredible conference, and we’re inviting speakers to submit session proposals (the deadline is approaching: 28/Feb!). Don’t miss the chance to see and talk to Martin Fowler, as he’s one of the few speakers I know of that can put together a first-class keynote on the night before :-)

Don’t forget to follow @agilebrazil on Twitter for conference news, and hope to see you there!


[Agile Brazil 2010] Martin Fowler pela primeira vez no Brasil!

Como um dos organizadores do comitê de programa da Agile Brazil 2010, estamos felizes em anunciar que a ThoughtWorks aceitou patrocinar a visita de Martin Fowler, nosso Cientista-Chefe, como um dos keynotes do evento. Como esta será a primeira vez que Martin visita o Brasil, decidi fazer algumas perguntas que julguei interessantes para os participantes do evento, e ele concordou gentilmente em participar desta mini-entrevista:

P: O que tem te mantido ocupado ultimamente?

Martin Fowler: Surpreendentemente é o meu novo livro sobre DSLs. Eu acho que escrever livros é um trabalho árduo e na verdade isso tem se tornado cada vez mais difícil. Até Junho eu espero que todo o conteúdo esteja definido assim isso vai poder sair um pouco da minha cabeça – algo que estou realmente ansioso para acontecer.

P: Quais são suas expectativas para a Agile Brazil 2010?

MF: Eu tento não criar expectativas sobre essas coisas, assim minha mente pode estar aberta para a realidade quando eu a ver. Eu tenho participado de conferências frequentemente há duas décadas, então acho difícil me empolgar com elas. Mas estou empolgado em visitar o Brasil. Esta será minha primeira vez na América do Sul e tanto eu quanto minha esposa estamos ansiosos há tempos por essa visita.

P: O que você irá abordar no seu keynote?

MF: Eu não tenho idéia. Eu geralmente não decido o assunto do meu keynote até uma data muito próxima do evento – geralmente fazendo palestras extemporâneas (improvisadas) <http://martinfowler.com/bliki/ExtemporarySpeaking.html>. Recentemente eu tenho feito keynotes com em torno de três pequenas palestras, algumas com slides, outras não. Porém decidir exatamente como irei fazê-lo vai ser algo que eu possivelmente decida na noite anterior.

P: Como você vê a comunidade brasileira de software influenciando o futuro dos Métodos Ágeis?

MF: É difícil dizer, pois não estou tão familiarizado com o mundo de software brasileiro. Eu tenho me impressionado bastante com os ThoughtWorkers brasileiros que conheci ao longo dos anos, então eu sei que existe um grande potencial aqui. Em geral eu gosto de ver uma variedade maior de culturas contribuindo para o mundo do software, pois acredito que seja uma parte importante para crescermos como profissão.

A Agile Brazil 2010 vai ser uma conferência incrível, e estamos convidando palestrantes para submeterem propostas de sessão (a data limite está se aproximando: 28/Fev!). Não perca a oportunidade de ver e conhecer o Martin Fowler pessoalmente, pois ele é um dos poucos palestrantes que conheço que consegue preparar um keynote da mais alta qualidade na noite anterior :-)

Não esqueça de seguir @agilebrazil no Twitter para notícias da conferência, e espero ver vocês por lá!

Post to Twitter

I’m helping to organise the first nation-wide Agile conference in Brazil, that will take place in Porto Alegre next 22-25th June. Agile Brazil 2010 is a joint effort to bring together all the Agile communities around Brazil (industry and academy), and the conference goal is to promote communication and collaboration among its attendees aiming to disseminate the Agile culture in the whole country. Some of the confirmed international guest speakers are ThoughtWorks’ Chief Scientist Martin Fowler, Philippe Kruchten, and David Hussman.

After working the past month on building the submission system, I’m happy to announce that we’re inviting you to join as a speaker of this great event too! Tell Brazil about your experiences, present your research and share your products and learnings! You can find the deadlines and the submission guidelines at:

http://submissoes.agilebrazil.com

To find out more about the conference, please visit our website, or follow @agilebrazil on Twitter.

Post to Twitter

April 16th, 2008Running Java 6 on a Mac

Following the recent trends on Planet TW, George and I decided to share our homage to those who, like us, miss (or don’t) running Java 6 on a Mac :-)

 

Running Java 6 on a Mac

 

Post to Twitter

From now on, I will be writing in English. I’ve been planning to do this for a while, but the “New Year” is always a good time for a personal retrospective and some planning for the future (although I think shortening the feedback loop to less than one-year would be beneficial). Besides the usual reasons for writing in another language (training, reaching a wider audience), I think that anyone seriously working with software development should be able to at least read English. I might still publish translated versions of some of my posts, but don’t count too much on that.

Speaking of changes, it’s finally time to annouce the good news:

I’m a ThoughtWorker

Some of you may already know, but since I’ve started interviewing back in 2006, more than one year has passed and many things happened. The one big thing that was holding me back was my Master’s, but since I’ve finished it back in June, things started moving. After a lot of paperwork going back and forth between Brazil and the UK, I’ve finally managed to get my Work Permit and entry clearance approved. My passport couldn’t have arrived in a better time than one week before Christmas. It was the gift I’ve been wishing throughout the year.

I want to say I’m very excited to work for ThoughtWorks! For those of you who were close during all this time, I want to say a big THANK YOU. My family and friends have been very supportive. But now is time to pack my stuff and give a step forwards. I’m starting in the second week of February and am looking forward to report the news. Wish me luck!

Post to Twitter

August 2nd, 2007Propaganda Ágil

Geralmente eu gosto de compartilhar notícias interessantes no meu “Shared Feeds” do Google Reader, mas essa eu acho que vale um post especial: o pessoal da Version One, do Google e da InfoQ estão apoiando um concurso de comerciais ágeis, que serão apresentados na Agile 2007 (esse ano, infelizmente, eu não vou)! Vale a pena conferir! Separei alguns dos meus favoritos:

Musical da ThoughtWorks UK:

Drama da ThoughtWorks UK:

Estilo “Mac vs. PC”, da OutSystems:

Post to Twitter

July 25th, 2006Agile 2006 – Dia 3

Resumo do terceiro dia de conferência: uma sessão pela manhã, quatro na parte da tarde e eu descobri que estou ficando míope :-)

Storytelling with FIT – Steve Freeman e Mike Hill

Depois da sessão de ontem
com o Ward Cunningham sobre a importância dos testes para a evolução de um sistema, decidi assistir uma palestra
sobre o framework que ele inventou para testes de aceitação: FIT. O ponto principal
da palestra foi mostrar a importância dos testes de aceitação como meio de comunicar requisitos. Eu já ouvi muitas
conversas por aqui sobre a utilização da palavra “teste”, pois muitos podem achar que o único objetivo de um teste
é encontrar erros (e sabemos que, apesar de eficientes, testes não provam a ausência de bugs). Ao invés de “teste”,
os apresentadores tentaram usar o termo “documento”, pois os testes de aceitação no FIT são páginas HTML contendo
texto e tabelas com exemplos que especificam o comportamento esperado do sistema. O mais interessante é que o
documento é algo executável. Com isso você tem como especificar os critérios de aceitação de uma história antes de
ter a implementação pronta (a idéia de escrever testes antes do código aplicada num contexto mais amplo).
Ao implementar a funcionalidade esperada, você utiliza ferramentas como os testes de unidade e
TDD para garantir
a qualidade do código. Porém o desenvolvedor é também responsável por fazer o teste de aceitação passar. Para isso,
você precisa escrever um Fixture, que na verdade é uma classe
que será chamada pelo framework e te dará acesso aos dados escritos no documento FIT. A partir daí, você faz as
chamadas necessárias ao código da sua aplicação e avalia os resultados de acordo com as expectativas descritas no
documento FIT. Abaixo são duas tabelas que fizemos para especificar uma parte de um sistema de venda online de
serviços de internet:

Storytelling with FIT

Agile Quality: A Canary in a Coal Mine – Ken Schwaber

A sessão que escolhi participar depois do almoço foi do outro inventor do Scrum:
Ken Schwaber. Ele falou sobre a importância da qualidade como
atributo essencial num sistema de software: devemos nos preocupar com a qualidade desde o início. O custo para
colocar a qualidade depois é muito alto, podendo até levar um projeto ao fracasso no longo prazo devido à perda
de vantagem competitiva. Quando mais tempo você gasta lidando com defeitos no seu sistema, menos tempo sobre para
pensar no valor que ele está trazendo para o negócio. E o principal objetivo de qualquer sistema de software
deve ser agregar valor ao negócio. Na sua palestra, Ken tentou mostrar a importância da qualidade para um projeto de software e defendeu a idéia de que cortar qualidade deve ser uma decisão de negócio.

Agile Stories – Research Papers

Na segunda metade da tarde, resolvi assistir à apresentação de 3 papers, numa trilha chamada “Agile Stories”.
Falarei um pouco sobre cada um dos papers nos tópicos abaixo:

The Deployment Production Line – Jez Humble, Chris Read e Dan North

Esse artigo foi bem interessante: eles mostraram uma forma efetiva de estruturar e automatizar a implantação da sua
aplicação em diferentes ambientes (teste, integração, aceitação, …). O artigo explica de forma mais detalhada a idéia
da linha de produção que eles desenvolveram num projeto da ThoughtWorks. O interessante
é que eles automatizaram o processo de tal forma que qualquer pessoa podia fazer o deploy de qualquer versão do sistema
em qualquer ambiente com poucos cliques. É interessante ressaltar também o modo em que eles quebraram as dependências
para acelerar a execução dos testes nos diferentes ambientes, paralelizando em várias instâncias separadas do
Cruise Control a execução dos testes de unidade, testes de aceitação nos
cenários de sucesso (smoke tests, que rodam mais rápido), testes de aceitação nos cenários mais complicados (demoram
mais), testes de performance, etc. Com isso, um determinado build vai ganhando “medalhas” conforme passa em
cada etapa de teste, ficando fácil de saber quando ele pode ou não ser implantado em ambiente de produção.

The Cost of Code Quality – Yuri Kharmov

Essa apresentação foi, por enquanto, a pior da conferência. Foi o oposto da palestra do Ken Schwaber
que eu tinha acabado de assistir. O autor defendeu a idéia de que nem sempre precisamos
nos preocupar com a qualidade quando escrevemos código. O principal argumento dele é: toda preocupação com
qualidade tem um custo associado e você deve considerá-lo na hora de usar técnicas como TDD ou Integração Contínua,
em outras palavras, não é um grande problema ter um sistema cheio de bugs se eles não te atrapalham.
Duas coisas me incomodaram: em primeiro lugar ele transpareceu não entender a verdadeira essência de
TDD como uma
ferramenta que possibilita o Design Incremental.
Segundo, quando perguntaram para ele ao final da palestra quantas vezes ele discutia sobre qualidade de código com
o cliente, ele respondeu “Quase nunca”. Como ele pode julgar pelo cliente o valor da ausência ou não de bugs se ele
nunca discute sobre isso?

Appropriate Agile Measurement: Using Metrics and Diagnostics to Deliver Business Value – Deborah Hartmann e Robin Dymond

A última palestra do dia foi sobre métricas ágeis. Eu achei bem interessante a distinção entre “Diagnósticos” e “Métricas”
proposta pelos autores:

  • “Diagnósticos”: são números que te ajudam a entender o andamento das coisas em relação ao processo. Por exemplo: medir a velocidade do time; interpretar o gráfico de “Burn-Down” para descobrir se o time irá terminar no prazo; ou saber a quantidade de defeitos. “Diagnósticos” dependem do contexto do time e devem ser temporários, ou seja, descarte-os assim que o processo estiver funcionando.
  • “Métricas”: são números que medem o valor de negócio que seu sistema está produzindo. Por exemplo: retorno de investimento; lucro; ou presença de mercado. “Métricas” são mais difíceis de medir, por isso é bom escolher apenas uma.

É preciso tomar cuidado com as métricas que você escolhe para avaliar o desempenho de uma equipe ágil, afinal
“You get what you measure”. Outra coisa que eles mostraram foi um template para ser utilizado na hora de
criar uma métrica ágil, com pontos que te fazem pensar sobre o verdadeiro valor que aquela métrica irá representar
quando estiver medindo o sucesso do seu software.

Post to Twitter

July 24th, 2006Agile 2006 – Dia 2

Segundo dia de conferência, e mais 3 sessões interessantes. Não é todo dia que você participa de uma palestra
com Jeff Sutherland, Ward Cunningham, Ron Jeffries e Michael Feathers.

Beyond the Manifesto: Readings for Agile Developers – Peter Coffee

Caminhamos até o hotel da conferência mais cedo para dar tempo de tomar café antes do Keynote com Peter Coffee.
A sessão estava cheia e ele basicamente recomendou 4 livros relacionados aos 4 valores do
Manifesto Ágil:

Após o Keynote, as sessões começaram pra valer: a programação estava cheia
de opções sobre os mais variados temas relacionados aos métodos ágeis. Decidi então começar o dia com o pé
direito.

Intro to the Agile Manifesto – Jeff Sutherland, Ward Cunnigham, Ron Jeffries e Michael Feathers

Apesar de ser uma sessão de para iniciantes (“Begginer's Track”),
eu não pude resistir à tentação de assistir uma palestra com 4 nomes tão conhecidos:
Jeff Sutherland, um dos inventores do Scrum,
Ward Cunningham, invertor do Wiki,
Ron Jeffries, um dos principais ativistas de XP e
Michael Feathers, o autor do livro
“Working Effectively with Legacy Code”
(que eu já li e estou devendo um review aqui).

Cada um ficou responsável por falar sobre um dos itens do manifesto ágil. O primeiro a falar foi Jeff Sutherland,
sobre:

“Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas”

Sob o ponto de vista do Scrum, Jeff mostrou dados muito interessantes a respeito do poder do trabalho em equipe. A diferença
de produtividade entre um programador brilhante e um programador normal pode chegar a 25:1. Porém, quando você leva em
consideração a produtividade de um time inteiro, a diferença pode chegar a 2098:1!! Estou para começar a ler o livro de
Scrum e entendi a importância do time ser responsável pela conclusão das tarefas, ao invés das tarefas serem atribuídas
por alguém (gerente de projeto ou cliente). O próximo foi Ward Cunningham, falando sobre:

“Software funcionando é mais importante que documentação completa e detalhada”

Esse foi provavelmente o melhor tópico. Ward conseguiu expressar em poucas palavras a importância de termos uma suite
de testes: armazenar conhecimento sobre o código. Quando estamos desenvolvendo, o código inevitavelmente vai
guardar um histórico de decisões que tomamos no meio do caminho e que com certeza iremos esquecer depois de um tempo.
Testes de unidade “falam” numa linguagem voltada para os programadores sobre as decisões tomadas durante a vida de
um sistema, enquanto os testes de aceitação falam numa linguagem que o cliente entende. Não posso deixar de ressaltar
uma frase que ele disse no meio da palestra (o homem é uma máquina de frases de impacto): “Refatorar é a
álgebra do seu código”
: você pega uma equação complexa e vai reduzindo até transformá-la em algo que
consiga entender. O próximo a falar foi Ron Jeffries, sobre:

“Colaboração com o cliente é mais importante do que negociação de contratos”

A negociação de contratos parte de uma premissa errada, de que não há confiança entre a equipe de desenvolvimento e o
cliente. Quando você diz que fará apenas o que o cliente assinou, ele fica com medo de perder funcionalidade e
demora para chegar a um acordo sobre o que deve ou não entrar no contrato. E o fato é: ninguém sabe o que irá acontecer.
Tentar escrever um contrato sobre algo que será construído depois de 1 ano é tentar prever o futuro e sabemos que os
seres humanos não são bons em previsões de longo prazo (muito menos quando o assunto é o escopo de um sistema
complexo). Por último, Michael Feathers falou sobre:

“Adaptação a mudanças é mais importante que seguir um plano inicial”

O ato de planejar é a única parte importante ao fazer um plano. Quantas vezes você já não fez planos sobre as coisas
que faria no próximo mês ou ano e não conseguiu cumprir? Michael Feathers falou muito bem sobre a forma com a qual
geralmente criamos nossos planos: nós tentamos impor condições sobre o futuro que não serão necessariamente
verdadeiras na hora de executá-lo. Um exemplo interessante que ele mostrou é sobre o planejamento urbano em
algumas cidades européias: Quando alguém define que devemos olhar para o farol para atravessar a rua e que o
carro deve parar antes da faixa para não atropelar os pedestres, está definitivamente fazendo um plano para evitar
acidentes de trânsito. Porém, o fato de colocar esses elementos como regra, faz com que desviemos nossa atenção
para o farol e para a faixa ao invés de olharmos para o que realmente importa. Na Europa, algumas cidades estão
construindo ruas onde não há distinção entre calçada e asfalto e com pouca sinalização, para fazer com que os
motoristas e pedestres estejam sempre atentos. O que ele quis mostrar com esse exemplo é que apesar da importância
do planejamento, é mais importante você focar nas coisas que estão acontecendo e se adaptar conforme conhece
mais o ambiente.

The Lego XP Game – Sam Newman, Dan North e Mike Hill

Essa foi definitivamente a sessão mais divertida até o momento. Sam e Dan são desenvolvedores da
ThoughtWorks e mostraram o jogo que eles usam para ensinar as principais
práticas de XP num curto período de tempo. Um jogo onde cada time recebe especificações sobre um animal e devem
construí-lo, iterativamente, usando peças de Lego! Genial! Meu time acabou perdendo desenvolvedores no break e tive
que mudar de equipe no meio do caminho, então acabei ficando com duas versões:

First Team

Second Team

É interessante como foi possível mostrar partes do Jogo do Planejamento,
do desenvolvimento iterativo-incremental e da importância de medir a velocidade do time em cada iteração, usando apenas blocos de Lego!

Post to Twitter

Após 12 horas totais de vôo e muita fila para fazer o check-in, tanto no Brasil quanto em NY, cheguei ontem em
Minneapolis, MN para participar da Agile 2006 como estudante voluntário.
Essa será a segunda edição da conferência, que é o resultado da junção de 2 outras, Agile Development Conference (ADC) e
XP/Agile Universe.

Dia 0

Apesar de um pouco cansado da viagem, o plano funcionou conforme o previsto. Eu havia combinado de ficar num albergue
perto do Hotel da conferência (uma caminhada saudável de
20 minutos) e dividir o quarto com um outro voluntário que conheci por e-mail:
Sergei Golitsinski. Ele é russo, mora nos EUA há 7 anos e, para minha sorte,
numa cidade relativamente perto de Minneapolis. Como estaria de carro, ele se ofereceu para me buscar direto no aeroporto.
Fomos direto para o albergue e, depois de se perder um pouco nas ruas da cidade, chegamos ao
Minneapolis International Hostel. Para minha surpresa, o quarto que eu
havia reservado era melhor que eu esperava, com 2 camas, banheiro privativo (não é normal em albergues) e até
internet wireless de graça no quarto! Muito legal! Só não tem TV e outras regalias de um Hotel normal, mas é bom
o suficiente para ficar durante esses dias de conferência.

Saímos de carro para conhecer a vizinhança e comer alguma coisa (a fila do check-in em NY demorou tanto que nem deu
tempo de almoçar na conexão), indo logo depois para o hotel da conferência ajudar os outros voluntários a preparar
as malas dos participantes e dobrar camisetas. Depois de trabalhar na linha de produção das malas, voltamos para
o albergue para tomar um banho. A noite fui assistir um filme,
“Lady in the Water”, de M. Night Shyamalan, o mesmo diretor de
“Sexto Sentido” e “Sinais”, mas estava com tanto sono que acabei perdendo umas partes do filme e acabei não
gostando :-) Na verdade a história é exatamente um daqueles contos de fada que contamos para crianças e,
se você está esperando algo brilhante ou lógico, será surpreendido por algo extremamente simples e direto. Não
vou falar muito pois vou acabar estragando a alegria daqueles que querem assistir o filme. Nem preciso dizer
que depois do filme voltei pro albergue e capotei.

Dia 1

Hoje de manhã viemos para a primeira reunião geral com todos os voluntários para entender o que devemos fazer para
ajudar na mesa de registro e nas palestras e sessões da conferência. A única coisa que me deixou um pouco chateado
é que não ganhamos a bolsa da conferência com informações como: o programa detalhado (com horários), preceedings
e outras informações. Não tanto pelas coisas que vêem dentro da bolsa ou pela bolsa em si, mas sim pelo fato de
dizerem que os voluntários só irão ganhar após ter certeza que todos os pagantes tenham recebido suas bolsas. No
total não devem ser mais que 20 voluntários que se registraram para ajudar. Enfim… não é nada que irá piorar
meu aproveitamento da conferência então vou deixar pra lá e falar sobre a parte importante: as sessões.

Durante a parte da tarde participei de 2 sessões: uma “Discovery Session”
com um pessoal da ThoughtWorks muito interessante, onde fizemos uma coleta de
dados sobre o estado atual das metodologias ágeis de desenvolvimento de software. Primeiro fomos para a parte externa
do prédio do hotel e formamos vários “gráficos humanos”, onde cada pessoa representa um ponto no gráfico (por exemplo:
“Quão feliz você está com seu trabalho atual” X “Há quanto tempo usa métodos ágeis”). Depois voltamos para a sala e
nos dividimos em grupos, fazendo uma retrospectiva sobre os seguintes tópicos:

  • As 3 coisas que mais me atraíram nos Métodos Ágeis
  • As 3 coisas que eu mais gosto de fazer quando uso Métodos Ágeis
  • As 3 principais decepções que tive com Métodos Ágeis
  • As 3 coisas que mais me surpreenderam sobre Métodos Ágeis

Os resultados serão publicados no wiki da conferência mais tarde e estarão
disponíveis para quem quiser. Por enquanto mando uma foto parcial do mural com alguns dos post-its:

Discovery Session Sticker Wall

A outra sessão que assisti foi do Scott Ambler sobre dois questionários online que
ele publicou no site Dr. Dobb's para tentar captar o ponto de vista da comunidade em
relação ao estado atual das práticas e princípios dos métodos ágeis. Uma boa discussão sobre as perguntas da pesquisa
e sobre os dados levantados. Quem estiver interessado pode tirar suas próprias conclusões a partir dos
dados obtidos.

Para fechar o dia, tivemos um “Ice Breaker” muito legal no maior saguão do hotel, um evento com a finalidade de
integrar todos os participantes da conferência e entretê-los. Tinha comida a vontade (muita comida), bebidas, doces,
um trio de jazz, um mágico, pessoas fazendo chapéu de balão e até um cartunista, que me desenhou assim:

Caricature at Agile 2006

Por enquanto estou aproveitando bastante a conferência e a experiência está sendo fantástica. Não sei se conseguirei
escrever todos os dias sobre as novidades, mas vou tentar fazer um resumo a cada dois dias. Amanhã promete ser mais
um dia de muitas palestras, troca de conhecimento e aprendizado.

Post to Twitter


© 2007-2009 Danilo Sato | Powered by Wordpress

Page optimized by WP Minify WordPress Plugin