Continuing the series of conference reports, me and Frankie spend a day in Buenos Aires, Argentina to present a Lego(tm) Game we developed to teach some Lean practices and principles at Agiles 2008. The conference was held during the full week of 20-25 October, including three concurrent 2-day Certified Scrum Master trainings and Mary and Tom’s 2 day course on Lean Software Development.

Agiles 2008 - Buenos Aires

Unfortunately, we were not able to stay for the whole week, but spending one day gave us a pretty good impression of how Agile is growing in Latin America. The conference had about 400 participants during these 5 days and they had to reject some of the 900 interested due to logistics constraints. As happened in the US and Europe, the major driver for Agile adoption is being Scrum and, as more people start adopting it, the more problems are uncovered about how they can improve on the “technical” engineering practices.

Agiles 2008 - Buenos Aires

Mary’s opening keynote was exactly about that: how important it is to look at the engineering side of Agile to make its success sustainable. This was the same talk she gave at Agile 2008, highlighting the successes and failures (Plank Roads) of our short software engineering history. I thought it was much better than the last time I saw it, and she managed to convey her message in a much more clear way: focusing on processes/life-cycle has been fragile, while strong technical and engineering practices has shown success throughout our history.

Me presenting

Our workshop went really well: the number of participants and their level of knowledge on Lean matched exactly what we had in mind when we developed it. I’m not going to describe the dynamics of the session, because Frankie already did a good job in doing that. Suffice it to say that the feedback we received was great and that we already have some changes to make it even better. I’m also making the slides available here, although you would have to participate on the hands-on exercises to fully understand it.

Lego Houses

I think the overall message of our session was to show how some of the Lean practices work in practice, but also highlight the importance of Systems Thinking and the principles behind the practices. Blindly applying a practice may give you marginal results, but to fully embrace a Lean philosophy you need to keep learning and improving. There’s not an easy recipe to success.

After a good lunch (with Argentinian steak and some Brazilian friends), we went back to the venue and didn’t have a lot of time to watch any other session, so we rushed to the airport. Next year’s conference is promissing to be even bigger, and besides wanting to stay for the whole week, I hope to see more Brazilians sharing their Agile experiences with the Latin American community.

Post to Twitter

I attended this session on Friday morning. This time the subject was another Lean tool: kanban. Corey Ladas showed 3 different project scenarios and presented different approaches to implement a kanban system.

He started by talking about some important Lean concepts like one-piece flow, work-in-process (WIP), cycle time, and their relationship using a Cumulative Flow Diagram (or finger chart). He showed how a constraint in the system can cause disruptions to flow and cause more harm than benefit to downstream processes by building more and more inventory (WIP). He then went on to explain the benefits of using a kanban system to limit the amount of WIP in the different scenarios.

The first scenario was a traditional waterfall-style process. He used a value stream map to identify the amount of value-producing time in each phase of the process, and used that to calculate an initial buffer size for each kanban lane. Instead of trying to explain the whole idea here, I suggest you to read Corey’s series of 4 posts on the subject.

The second scenario was a transition from a Scrum process into using a structured kanban instead of a traditional story/task board. Again, the approach is explained in more detail in a post about what he called Scrum-ban.

The third scenario would be an improvement over an existing kanban process, but due the number of questions throughout the presentation (which generated some quite interesting discussions) he didn’t have enough time to go into more detail.

My overall impression of the session was that he did a good job explaining kanban as a tool, and the reasoning behind it to limit WIP and control the flow of your process. The discussions and questions were also very interesting, which demonstrated the audience was interested in the subject. The thing that I didn’t like so much was his argument in favor of having specialists in the team, and how to move into using kanban without too much change along the way. I think one of the fundamental Lean principles is kaizen, or continuous improvement, and it encourages the team to constantly search for better alternatives. Change is part of the process and should be seen as a Good Thing. And I have already shared some of my impressions about Generalist vs. Specialists, so I’m a bit biased :-)

An important thing to keep in mind is that kanban is just one of the tools in our Lean toolkit. I particularly like Kenji Hiranabe’s InfoQ article on the subject, where he explains kanban in a more broad context, acting as a balancing tool between reducing WIP and one-piece flow, as well as a way to visualize kaizen. Lean is full of contradictions, and you must understand the underlying principles to be able to apply (and change) the practices to a particular situation. Using kanban per-se shouldn’t be a goal for any agile team, but it is very important to understand how it works and the reasoning behind it. If you haven’t looked into kanban yet, you should definitely check out the references in this post.

Post to Twitter

A ImproveIt está deixando o mercado de serviços e consultoria em Métodos Ágeis e XP. Estava escrevendo esta resposta como um comentário e percebi que estava ficando grande demais, então resolvi dedicar um post, afinal, meus amigos da ImproveIt merecem :-)

Amigos da ImproveIt no Rio On Rails

Mais importante que vender e disseminar os valores ágeis é mostrar que eles fazem parte da sua filosofia de vida. Com essa mudança vocês demonstram tudo aquilo que é difícil de vender em XP mas que faz muito sentido para quem usa: coragem, abraçar as mudanças, transparência na comunicação e envolvimento com a comunidade.

Até poucas semanas atrás eu não conhecia o pessoal da ImproveIt pessoalmente. Tive o prazer de conhecê-los graças aos eventos de rails em São Paulo e no Rio. Agora posso afirmar com certeza que eles têm o talento e o conhecimento necessários para que o sucesso venha rapidamente.

Amigos da ImproveIt no Rio On Rails

Tenho certeza que a mudança não é uma reação aos pontos levantados pelo Vinicius. Apesar de eu mesmo ter participado e até promovido os treinamentos de Scrum do Boris, concordo com as críticas. Tanto que, se olharem meu currículo, coloco o treinamento como curso e não certificação. Prefiro olhar pelo lado positivo da mudança. Acho que a mudança de rumos está muito mais relacionada com as possibilidades que enxergam no futuro do que com o que já fizeram no passado. E é exatamente esta atitude que eu admiro. Mudar sem medo. Coragem.

Desejo muito sucesso a todos: Vinicius, Tapa, Rafael, Felipe e Leandro (o único que não conheci pessoalmente, infelizmente). Continuem produzindo produtos de qualidade assim como fizeram com os treinamentos, palestras, consultorias, posts e podcasts sobre Métodos Ágeis e XP. Um grande abraço!

Post to Twitter

Pessoal, meu amigo Boris Gloger, da SPRiNT-iT, me pediu um favor para divulgar os próximos cursos oficiais de Certified Scrum Master no Brasil. Duas turmas estão agendadas para Janeiro, uma em São Paulo e outra em Recife. Para mais detalhes, acesse diretamente:

Eu fiz esse treinamento em Abril e cheguei a apresentar um seminário sobre o assunto no IME (slides). São dois dias repletos de atividades e práticas que te farão questionar algumas premissas e trarão uma breve experiência do desenvolvimento ágil com Scrum. Altamente recomendado!

 

Post to Twitter

November 20th, 2007Conexão Java 07

Final de feriado chegando. É hora de voltar a ativa e contar como foram os eventos da última semana. Primeiro um pouco sobre o Conexão Java.

 

Audience at Conexão Java 07

 

Sexta-Feira

 

Foi a primeira vez que participei do Conexão Java e gostei bastante do evento. Além de re-encontrar amigos, as palestras que assisti foram excelentes. Na sexta-feira o Alexandre Magno falou um pouco sobre Scrum e, apesar de ter precisado sair no meio da palestra, os comentários que ouvi foram todos positivos. Na sexta acabei assistindo só essa palestra, pois fiquei o resto do dia ajudando o Carlos Villela terminar seus slides (percebam que minha participação foi importante.. he he).

 

Peugeot Certified Driver :-)

 

Sábado

 

No sábado, o keynote do CV criticou os “arquitetos de uma nota só” que preferem usar sempre a mesma ferramenta para resolver qualquer problema. Além de argumentar sobre a importância da plataforma Java vs. da linguagem Java, os tópicos levantados deixaram a platéia preparada para as próximas apresentações.

 

Carlos Villela's Keynote

 

O Philip Calçado re-apresentou a palestra de arquitetura do Just Java (dessa vez sem o Paulo) e agradou bastante o público. Apesar de eu já ter assistido a palestra, foi bom para ouvir mais um pouco sobre as “arquiteturas Java do passado”. Particularmente achei muito valioso ele ter levantado temas recentes como Domain-Driven Design e DSLs.

 

Philip

 

Depois foi minha vez. Minha estréia como palestrante foi bem recebida. As pessoas que me procuraram depois da palestra me deram um feedback positivo e alguns comentários online que li (aqui e aqui) me deixaram bastante feliz com o resultado. Espero que tenha conseguido passar minha mensagem, deixando algumas sementes para discussão sobre Métodos Ágeis, XP, Scrum e Lean. Minha apresentação já está disponível para download aqui.

 

Palestrando no Conexão Java 07

 

Após minha palestra fomos almoçar numa churrascaria e acabei perdendo a palestra do Vinícius. A última palestra do dia foi do Fernando Meyer, core developer do JBoss, sobre ANTLR e seu uso na criação de DSLs externas. Gostei pois ele mostrou os conceitos básicos de um compilador (parsing, análise léxica, análise semântica, interpretação, geração de código, etc.) e partiu para um exemplo prático de código. Dei uma ajudinha depois da palestra com um bug (essas coisas acontecem) e os slides e o código estão disponíveis no blog do Fernando Meyer.

 

Fernando Meyer

 

Espero poder participar de mais eventos como esse. Se você assistiu minha palestra, deixe algum comentário (positivos ou negativos). Feedback é sempre importante e me ajudará a melhorar para as próximas apresentações. O que você gostou e não gostou da minha palestra? Você aprendeu alguma coisa? Algumas das idéias surtiram efeito no seu dia-a-dia?

 

Post to Twitter

August 14th, 2007Chega de Processos!

Estou há tempos devendo um post sobre o artigo do Ivar Jacobson (um dos inventores do RUP e pai da UML) e seus colegas, primeiramente publicado numa série de artigos da Dr. Dobb's e depois num paper no JOLT. No geral eu concordo com o seu ponto de vista, mas antes de ouvirem (lerem?) o que tenho a dizer, sugiro fortemente ler o artigo original. Pronto? Agora podem continuar a ler meus comentários…

Terminologia

Antes de falar sobre o artigo, queria esclarecer algumas coisas sobre o termo “processo”. Essa palavra geralmente vem carregada de uma série de significados que podem não ser os mesmos de pessoa para pessoa. Se você ler o Manifesto Ágil, verá que “Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas”. Que tipo de processo o Manifesto se refere? Aquele mega-processo formalizado que todos precisam seguir ou, como diz o Tim Lister, processo é tudo aquilo que você faz no dia-a-dia, quando ninguém está olhando (ou avaliando) ou mesmo quando está sobre pressão? Recentemente, a Mary me fez repensar sobre o assunto e ela sugere a palavra “sistema” ao invés de “processo”. Como não é a primeira vez que ela me faz repensar algumas coisas, prestei atenção e concordo com a sua colocação, afinal de contas, independentemente de seguirmos algo padronizado ou não, todos acabamos fazemos alguma coisa no nosso dia-a-dia (alguns podem chamar isso de processo ou não). O “processo” do ponto de vista Lean e o “processo” na definição do Tim Lister não são o mesmo “processo” que o Ivar Jacobson está criticando. Daqui pra frente, quando eu falar em “processo”, estou me referindo ao mesmo processo do Ivar Jacobson.

O inventor do RUP está dizendo que o RUP não funciona?

Não sou o único que acredita que (e conhece) muitas empresas que implantaram o RUP de forma errada. Gostei do exemplo do Vinicius, comparando o RUP com um grande supermercado de processos, onde você faz suas compras (agora, com o OpenUP você pode fazer compras de graça) e coloca no carrinho as coisas que acha mais convenientes. Isso gerou uma série de malefícios na indústria, que vou tentar citar abaixo (alguns não são culpa direta do RUP e, pelo que vi, o OpenUP parece estar bem mais ágil):

  • Processo pesado demais: “Não sei se preciso disso, mas na dúvida é melhor não ficar sem” (quando se trata de comida, minha mãe sempre disse que é melhor sobrar do que faltar) :-)
  • Disfarce para Cascata: Incepção = Levantamento de Requisitos, Elaboração = Análise, Construção = Implementação/Testes e Transição = Implantação. Cabe aqui dizer que já ouvi gente reclamando que o RUP não lida com a fase de manutenção (que seria a próxima fase do Cascata que não aparece nos quadradinhos). Minha resposta para essa pergunta vale outro post, mas precisamos parar de pensar que desenvolver e dar manutenção são coisas totalmente diferentes. O software deve estar em constante manutenção.
  • Processo pelo processo: “Que bom! Já tenho templates de documentos prontos para tudo! É só alocar alguém para prenchê-los”. Pior, eu já vi gente fazendo “RUP” escrevendo toda essa documentação DEPOIS só para seguir o processo. Alguém escreve Use Case depois que já tem algo implementado?!?!
  • Decomposição em especialidades: “Sou apenas arquiteto, não escrevo código” ou “Esse documento é responsabilidade do arquiteto! Não ouse duvidar da sua validade, mero desenvolvedor”
  • Gerenciamento voltado para alocação de papéis e tarefas: “Essas baleias fazem sentido. Não preciso de desenvolvedores no começo e o arquiteto vai estar livre para outro projeto na terça-feira da segunda semana do mês que vem…”
  • Modelagem voltada para documentação: “Preciso gerar esses Use Cases. Preciso gerar os diagramas de classe. Preciso gerar os diagramas de seqûências, …”

Resumindo, concordo com o inventor do RUP que esse tipo de processo precisa acabar e que as pessoas não lêem os livros antes de aplicar os conceitos.

Meu processo é diferente do seu

Como é muito bem colocado no artigo, existem semelhanças entre os diversos processos. Mas o importante é que o processo seja “adaptativo, extensível e capaz de absorver boas idéias” (destaque meu). Ao estudar Lean, você verá que o processo existe apenas para ser desafiado. As pessoas devem ter o poder de mudá-lo sempre que encontrarem desperdícios ou pontos de melhoria. Se você estava atrás de um processo que resolveria todos os seus problemas, O processo que seria padrão da empresa, sinto informar que ele não existe (e não sou nem eu que estou dizendo, o Fred Brooksdisse isso há bastante tempo). Definir um comitê para definição DO processo é, no mínimo, um desrespeito ao intelecto das pessoas que irão seguí-lo. Como um grupo de pessoas que não está trabalhando (e usando o processo), pode definir o melhor jeito que algo deve ser feito?

Além disso, os Métodos Ágeis já sabiam dessas coisas há um certo tempo. Crystal coloca a reflexão como uma das bases da metodologia e, mais pra frente, as reuniões de Retrospectiva foram incorporadas em outros processos como Scrum e XP. Hoje em dia, utilizo retrospectivas em vários contextos! É uma ótima forma de aprender com nossos acertos e erros e de melhorar para o futuro.

Concordo com todas as críticas aos processos colocadas por Ivar Jacobson: que têm diversos pontos em comum, que nunca serão totalmente completos em todos os aspectos, que nunca serão adotados de forma completa ou by-the-book, que não transmitem o conhecimento de forma eficiente e que podem ser estúpidos em alguns casos.

Usem práticas!

A solução do Jacobson é não focar mais em processos completos e pesados, mas sim em catalogar uma coleção de práticas. Cada prática deve ser isolada e atacar um aspecto específico do desenvolvimento. Dessa forma, cada “metodologista” (como ele diz) pode montar (e mudar) o seu processo conforme suas necessidades. O que eu achei legal na definição dele é que cada prática deve se “auto-verificar”. Em outras palavras, ela deve estabelecer um objetivo claro e uma forma de avaliar se esse objetivo foi atingido. As métricas de acompanhamento podem ajudar bastante aqui.

Apenas práticas resolvem?

Apesar de eu concordar com a mudança de foco (processos para práticas), ainda acredito que só as práticas em si não são tudo. Em XP, as 12 práticas originais dobraram (13 práticas primárias + 11 práticas corolárias). E isso foi feito com base nos valores e princípios da metodologia. XP se baseia nos valores da comunicação, feedback, simplicidade, coragem e respeito. São a forma como avaliamos uma determinada situação (seja desenvolvendo software ou arrumando a casa). Valores são amplos, enquanto práticas são específicas. Não consigo convencer minha empregada a usar TDD ou Programação Pareada para limpar meu quarto, mas posso conversar de forma respeitosa e mostrar que não faz sentido guardar um pé do tênis junto com um pé do sapato. Você pode chamar isso da prática do Calçado Pareado se quiser :-)

Na segunda edição do livro de XP, Kent Beck define melhor ainda os princípios da metodologia, que ajudam a traduzir os valores (amplos) em práticas (específicas). Acredito que para adaptar um processo de forma consciente e eficiente, não basta olhar apenas para um repositório de práticas e sair escolhendo. Precisamos dessas ferramentas mentais para auxiliar a adaptação para nossa situação. No livro Lean Software Development, por exemplo, a Mary e o Tom se focam quase exclusivamente nos princípios. A GM e A Ford tentaram copiar as práticas da Toyota e não conseguiram atingir os mesmos resultados.

Eliminamos os processos. E as ferramentas?

Minha última crítica ao artigo do Jacobson é que ele dá todos os argumentos contra os processos e, no final, mostra uma nova ferramenta, o EssWork, para gerenciar o repositório das práticas (e seus cartões), para organizar a forma de trabalho da equipe (seu processo) e para integrá-lo com as ferramentas de desenvolvimento da equipe. Não que eu seja totalmente contra o uso de ferramentas, mas assinei o manifesto e prefiro valorizar indivíduos e interações. Até chegar nessa parte eu estava gostando da idéia dele de utilizar cartões para representar as práticas e para montar o processo da equipe. Digamos que me decepcionei um pouco no final, mas nada que invalidasse o resto das coisas que havia gostado.

Acredito que ouvir uma opinião dessas de um cara tão respeitado pelos mais “tradicionalistas” é muito encorajador para nós. Segundo ele mesmo coloca, estamos numa fase de transição para uma nova era da engenharia de software e acredito que os Métodos Ágeis servirão como uma excelente base para mudarmos o cenário da nossa indústria.

Post to Twitter


© 2007-2009 Danilo Sato | Powered by Wordpress

Page optimized by WP Minify WordPress Plugin